Postagens da categoria: Conjetural

A infinitude

Por Mortimer J. Adler

Segundo Aristóteles, pode haver unidades de matérias muito pequenas, mas, por menores que sejam, podem ser divididas em partículas ainda menores, desde que cada uma seja uma unidade de matéria – uma e continua.

A consciência é nosso próprio ser

Por Louis Lavelle

A consciência é uma chama invisível que tremeluz. Pensamos com frequência que seu papel é iluminar-nos, mas que nosso ser está em outro lugar. No entanto, é essa claridade o que somos. Quando ela decresce, nossa existência cede.

Ateísmo na pseudociência de Stephen Hawking

Por Matthew C. Hoffman

Cosmólogos, tais como Hawking, estão fazendo uma pequena indústria de especular que eventos como as flutuações do vácuo poderiam resultar na criação de mundos inteiramente novos, embora não tenham nenhuma prova experimental.

O hotel de Hilbert

Por William Lane Craig

Esta postagem foi extraída do livro "Em Guarda".

Visa explicar que o universo teve um início, ou seja, não existe desde a eternidade, pois o infinito é indivisível e o universo existe em espaço e tempo divisíveis.

True Outspeak: simbolismo, ciências e religião

True Outspeak

Por Olavo de Carvalho

No mundo que Galileu define, existem somente duas coisas: um “lado”, com o espaço e objetos dentro; e outro, com nossa mente. Neste cenário, só existe matéria e mente - o simbolismo e a religião foram aniquilados!

Como explicar o mundo sem ter muito trabalho

Por

Existem inúmeros exemplos de “ciência do absurdo” sendo feitos mundo afora, talvez sendo levados a sério demais – até mesmo em áreas do conhecimento, como biologia, genética, química e mesmo na matemática.

True Outspeak: pseudo-religião

True Outspeak

Por Olavo de Carvalho

Espaço absoluto é o espaço infinito em todas as direções e sem nada dentro; tempo absoluto é a incorrupta duração sem fato algum. Essas teorias não são empíricas, são puras construções mentais.

Espírito e personalidade

Espírito e personalidade

Por Olavo de Carvalho

Pessoas que pensam muito são, apenas por isso, chamadas de “intelectuais”, mas isso é errado: a vida do intelecto só começa na fronteira em que o pensamento se apaga para dar lugar ao vislumbre da verdade.