Dois excertos da obra: “Manual popular de dúvidas, enigmas e contradições da Bíblia”


Bíblia em exposição

Esta postagem contém dois excertos da obra: “Manual popular de dúvidas, enigmas e contradições da Bíblia”, escrita por Norman L. Geisler (1932 – 2019) e Thomas Howe.

Como o universo pode ter tido um “princípio”, se a ciência moderna diz que a energia é eterna?

Problema: De acordo com a Primeira Lei da Termodinâmica: “a energia não pode ser criada, nem destruída”. Sendo assim, então, o universo é eterno, já que ele é feito de energia, que é indestrutível. Entretanto, a Bíblia indica que o universo teve um “princípio” e que não existia antes de Deus o ter criado (Gn 1:1). Não é isto uma contradição entre a Bíblia e a ciência?

Solução: Há um conflito de opiniões aqui, mas na realidade não há contradição alguma. A evidência dos fatos indica que o universo não é eterno, mas que realmente teve um princípio, tal como a Bíblia diz. Algumas observações são relevantes para entendermos esta questão.

Em primeiro lugar, a Primeira Lei da Termodinâmica, com frequência, é incorretamente enunciada com a expressão: “a energia não pode ser criada”. Entretanto, a ciência baseia-se na observação, e afirmações como esta – que diz que a energia não pode ser criada – não se baseiam na observação (como qualquer afirmação que use “pode” ou “não pode”), mas são afirmações dogmáticas. A Primeira Lei da Termodinâmica deveria ser corretamente enunciada da seguinte maneira: “[Até o ponto em que se pode observar] o total de energia presente no universo permanece constante”. Ou seja, pelo que se sabe, a quantidade total de energia presente no universo não está diminuindo nem aumentando. Posto desta forma, a Primeira Lei não faz referência alguma quanto à origem da energia nem quanto ao tempo em que ela está presente no universo. Assim, ela não contradiz a declaração de Gênesis de que Deus criou o universo.

Faça download das Sagradas Escrituras (Antigo e Novo Testamentos) em formato PDFClique aqui.

Em segundo lugar, outra lei científica perfeitamente aceita é a Segunda Lei da Termodinâmica. Ela afirma que “o total da energia utilizável no universo está diminuindo”. De acordo com esta lei, o universo está decaindo. Sua energia está sendo transformada em calor, que não é utilizável. Sendo assim, o universo não é eterno, porque, se o fosse, a sua energia utilizável já se teria esgotado há muito tempo. Ou, em outras palavras, se o universo está se desfazendo (tendo a sua energia degradada), então houve um tempo em que toda a energia foi feita. Se houvesse uma quantidade infinita de energia, ela não estaria decaindo no universo. Portanto, o universo teve um princípio, tal como Gênesis 1:1 diz.

Jesus errou quando afirmou que os sinais do tempo do fim se cumpririam em sua era?

Problema: Jesus falou de sinais e maravilhas no que diz respeito à sua segunda vinda. Mas ele disse que “esta geração” não passaria, sem que tudo isso acontecesse (Mateus 24:34). Isso quis dizer que esses eventos aconteceriam durante a vida dos que o ouviam?

Solução: Esses eventos (i.e., a Grande Tribulação, o sinal da volta de Cristo e o fim dos tempos) não ocorreram nos dias de seus ouvintes. Portanto, é racional entendermos que o seu cumprimento se dará ainda no futuro. Essa questão requer um exame mais cuidadoso do significado de “geração”, quanto a sentidos diferentes relativamente aos contemporâneos de Jesus.

Primeiro, “geração” em grego (genea) pode significar “raça”. Nessa situação específica, a afirmação de Jesus poderia significar que a raça judia não passaria até que todas as coisas se cumprissem. Por haver muitas promessas a Israel, inclusive a da herança eterna da terra da Palestina (Gn 12; 14-15; 17) e do reino Davídico (2 Sm 7), Jesus poderia estar se referindo à preservação da nação de Israel por Deus, de forma a cumprir com as promessas feitas a Israel.

Capa da obra: “Manual popular de dúvidas, enigmas e contradições da Bíblia”

De fato, Paulo fala de um futuro da nação de Israel, quando eles serão restabelecidos nas promessas do pacto de Deus com eles (Rm 11:11-26). A resposta de Jesus à última pergunta de seus discípulos levava em conta que haveria um futuro reino para Israel, quando eles perguntaram: “Senhor, será este o tempo em que restaures o reino a Israel?” Em vez de repreendê-los por falta de compreensão, Jesus respondeu: “Não vos compete conhecer tempos ou épocas que o Pai reservou pela sua exclusiva autoridade” (At 1:6-7).

Segundo, “geração” poderia referir-se também a uma geração em seu sentido usual, de pessoas vivendo no tempo indicado. Nesse caso, a palavra se referiria às pessoas que estarão vivas quando essas coisas acontecerem no futuro. Em outras palavras, a geração que estiver viva quando essas coisas começarem a acontecer (o abominável da desolação [v. 15], a grande tributação, tal como nunca houve antes [v. 21], o sinal do Filho do Homem no céu [v. 30] etc.) permanecerá viva até quando esses juízos se completarem. Portanto, já que comumente se crê que, no fim dos tempos, a tribulação terá a duração de sete anos (Dn 9:27; cf. Ap 11:2), Jesus estaria dizendo que “esta geração” que estiver vivendo a tribulação ainda estará viva no seu final.

Extraído da obra: “Manual popular de dúvidas, enigmas e contradições da Bíblia”,
escrita por Norman L. Geisler (1932 – 2019) e Thomas Howe.

Publicado Pela Editora Mundo Cristão, sob ISBN: 978-8573251852.

Em complemento, assista ao vídeo intitulado “A Bíblia é Verdadeira?”:

Leia também:

0 0 vote
Article Rating
guest
0 Comentários
Comentários
Visualizar todos os comentários
0
Adoraríamos receber sua crítica. Por favor, escreva-a!!x
()
x