Fragilidade intelectual


Assim como o amor de Deus é raiz de todas as virtudes, o amor-próprio é a raiz de todos os vícios.”, Padre Manuel Bernardes (1644 – 1710): escritor, orador e religioso português.

Lembre-se da fragilidade de nossos intelectos e de nosso conhecimento limitado.

Sócrates disse que ele era o mais sábio homem em Atenas porque ele sabia que não sabia nada. O apóstolo Paulo assumiu um pensamento semelhante, quando confrontado pelos gnósticos gregos, que davam palpite sobre a importância do conhecimento. Ele escreveu: “O conhecimento dá ocasião à arrogância, mas o amor edifica. Se alguém supõe conhecer alguma coisa, ainda não conhece até o ponto em que é necessário conhecer. Mas, se alguém ama a Deus, esse é conhecido por ele” (1Co 8.1b-3). De acordo com Paulo, se você pensa que é tão esperto e que descobriu tudo a respeito de Deus, na verdade, você nada sabe e é apenas um tagarela intelectualmente inflado. Em contrapartida, a pessoa que ama a Deus é aquela que verdadeiramente veio a conhecê-lo.

Tal doutrina tem abalado a soberba de alguns homens em face de suas grandes realizações intelectuais. Isso significa que o mais simples filho de Deus, que vive em amor, é mais sábio, à vista de Deus, do que o brilhante Bertrand Russel, que o mundo jamais viu igual.

Como cristãos, precisamos perceber a debilidade e a finitude de nosso conhecimento humano. Com honestidade, posso testificar que quanto mais aprendo, mais desesperadamente ignorante me sinto. Além disso, o estudo somente serve para abrir a consciência de uma pessoa para todas as perspectivas infindáveis do conhecimento — mesmo na própria especialidade dessa pessoa — ainda desconhecido. Identifico-me com uma afirmação que Isaac Newton fez quando refletia sobre suas descobertas expostas em seu grande tratado sobre física, o Principia mathematica. Ele disse:

Não sei o que possa parecer aos olhos do mundo, mas aos meus pareço apenas ter sido como um menino brincando à beira-mar, divertindo-me com o fato de encontrar de vez em quando um seixo mais liso ou uma concha mais bonita que o normal, enquanto o grande oceano da verdade permanece completamente por descobrir à minha frente.

Escrito por William Lane Craig.
Excerto do primeiro capítulo do livro: “Apologética para questões difíceis da vida”.
Obra publicada pela Editora Vida Nova, sob ISBN: 978-85-275-0452-2.

Nota da editoria da Culturateca:

  • O título desta postagem (“Fragilidade intelectual”) não faz parte de nenhuma epígrafe do livro, foi atribuído por nossa editoria.
  • O excerto aqui disponibilizado não pretende expor o objetivo da obra, para tal finalidade aconselhamos a leitura da sinopse oferecida pela própria Editora Vida Nova.

Em adendo, assista ao filósofo Olavo de Carvalho e compreenda o Primeiro Mandamento  (Amar à Deus sobre todas as coisas):

Leia também:

5 6 votos
Article Rating
guest
0 Comentários
Comentários
Visualizar todos os comentários

Faça downloads de livros, imagens, áudios e de outros artefatos.


Clique aqui e conheça a nova seção da Culturateca.

0
Adoraríamos receber sua crítica. Por favor, escreva-a!!x
()
x