O brasileiro moderno e a Síndrome de Genovese!


“Talvez o Brasil já tenha acabado e a gente não tenha se dado conta disso.”,
Paulo Francis (1930 – 1997).

Observando a apatia social diante das anomalias com que a mídia nos bombardeia diariamente, lembrei de um fato e não pude deixar de traçar um paralelo. Um sombrio paralelo.

Antes, vou contar o caso de Catherine Genovese, conhecida por Kitty Genovese.

Kitty realmente existiu e seu assassinato marcou profundamente a sociedade americana, criando até a expressão, “Síndrome de Genovese”  para descrever a indiferença egoísta das pessoas que evitam ‘se envolver’ nos problemas das outras, por mais graves que estes sejam.

Gravidade que às vezes leva à morte, como no caso de Kitty.

Passavam alguns minutos das 3 da manhã do dia 13 de março de 1964, uma  jovem mulher atrás do volante saiu do carro e iniciou a caminhada de uns 30 metros em direção ao seu apartamento no bairro de Queens, Nova York, quando percebeu um desconhecido em seu caminho.

Então ela mudou de direção e foi rumo à esquina onde havia uma cabine telefônica policial.

Subitamente, o homem agarrou-a e ela gritou desesperada. Moradores de apartamentos próximos ao local acenderam as luzes e abriram as janelas, ao todo 38 pessoas.

A mulher gritou: “meu Deus, ele me apunhalou! Por favor, me ajudem!”.

De repente, as luzes dos apartamentos se apagaram e as janelas foram fechadas.

Kitty conseguiu escapar, correr rumo ao seu apartamento, mas o agressor a agarrou e a esfaqueou novamente. “Estou morrendo!”, ela gritou.

As janelas se abriram novamente. O agressor entrou num carro e foi embora.

As janelas se fecharam, mas logo o agressor voltou. Kitty agora havia se arrastado para a porta da frente de um prédio próximo. Ele a encontrou estendida no chão e a esfaqueou novamente, atacou-a  sexualmente, desferiu mais algumas facadas matando-a.

Ao todo decorreram 45 minutos desde o primeiro ataque até a morte, só então um vizinho da vítima chamou a polícia. Os policiais chegaram dois minutos depois e encontraram seu corpo sem vida. A vítima foi identificada como sendo Catherine Genovese, 28 anos, que estava voltando de seu emprego, todos os vizinhos a conheciam.

Seis dias depois da morte da jovem, a polícia prendeu um suspeito – Winston Moseley, 29 anos, operador de máquinas em comércios que vivia com sua esposa e os dois filhos.

Moseley acabou confessando não apenas ter matado Kitty, mas também duas outras mulheres. Disse possuir “um desejo incontrolável de matar”. Ele falou aos agentes que vagava pelas ruas à noite em busca de vítimas enquanto sua esposa, Elizabeth, estava no trabalho. “Eu escolhia mulheres para matar porque elas eram mais fáceis e não lutavam”, disse Moseley.

Catherine Susan Genovese (1935 -1964).

O caso Genovese tornou-se um símbolo da apatia social não apenas para os americanos dos anos 60, mas para toda uma geração consciente de que a aglomeração das grandes cidades favorece a desumanização ‘dos outros’, favorece a inércia dos espectadores e acerba a indiferença para com quem não lhe é próximo, porque o espaço urbano pertence a um povo que não tem nada a ver com eles.

Quem circula naquele espaço não faz parte de sua vida. As pessoas se enclausuram numa cápsula virtual tornando-se espectadoras passivas das mazelas que as rodeiam.

A essa atitude foi dado até um nome “bystander effect”, fenômeno psicológico no qual indivíduos mostram-se nada propensos a ajudar outras pessoas em situações emergenciais quando percebem que há outros presentes no mesmo local, é o jeito eufemístico de dizer, “não tenho nada com isso. Acho que devemos considerar melhor quando se diz que o ser humano é solidário, é generoso, se preocupa como bem estar alheio, não é isso que a prática demonstra.

Observando a atitude dos brasileiros, a apatia geral da grande massa com relação ao estado em que se encontra o país, não posso deixar de comparar o Brasil com a Kitty Genovese que, sangrando, implora ajuda da Sociedade, que segue sua vida indiferente aos desígnios da nossa Pátria.

A Cultura de Massas, filha absoluta do Marketing mais rasteiro, vem modificando a atitude e o pensar do povo brasileiro, anulando as identidades das pessoas que, sem perceber, assumem tranquilamente um novo modelo, proposto pelas grandes mídias.

Esse mecanismo vem subvertendo os tradicionais valores e as instituições, como conhecemos, vão sendo solapadas por um novo perfil sócio cultural, onde impera a mesquinhez, arrogância, indiferença e um consumismo exacerbado.

O certo é que a Antropologia da Maldade decidiu fazer da barbárie uma civilização.

Um antropólogo da maldade não acredita ser possível ensinar matemática ou a poesia de Camões e Manuel Bandeira ao morro ou à periferia, mas está certo de que o morro e a periferia é que têm de ensinar funk e rap aos “imperialistas e aos “playboys, já que se trataria da expressão de um novo sistema de valores. É como se aquela “civilização já não fosse a nossa.

Lutam para preservá-la da nefasta influência da cultura central, pobre e populista, corroída pelo materialismo, pelo capitalismo e por um moralismo de fachada.

Esse é o novo brasileiro. Critica a Sociedade estruturada, desenvolvem uma nova concepção de Sociedade que os levem à ser como somos nós, só que “sem fé, sem lei e sem rei: sem esperança, sem estado e sem governo.

Uma concepção equivocada, onde os piores suplantam os melhores e criam padrões que são imediatamente absorvidos e copiados.

Pobres brasileiros.

Entendimentos & Compreensões
Sérgio Avellar – Profissional multimídia.
Comunicólogo com doutorado em “Master en Publicidad” pela Universitat de Barcelona,
onde se aprofundou sua tese sobre a “Cultura de Massas e a Perda das Identidades”.

Autor e mantenedor da Rádio RockPuro.
e-mail: avellar@rockpuro.net / Release: http://rockpuro.net/sergioavellar.html.

Publicado originalmente em Março de 2015 (arquivos da Sala de Protheus).

Assista ao vídeo no qual o filósofo Olavo de Carvalho questiona: a sociedade brasileira é saudável?

Leia também:

Leia e ouça as transcrições:

avatar
640
2 Quantidade de comentários
0 Quantidade de respostas aos comentários
0 Seguidores
 
Comentário mais polêmico
Comentário em destaque
1 Quantidade de comentadores
Ed Garcia Quantidade de comentadores recentes
mais recentes   mais antigos
Ed Garcia
Membro

Tenho a impressão de que a palavra ‘acerba’ foi mal utilizada.

@EdGaarcia

Ed Garcia
Membro

Tudo a ver com a ‘A Rede dos Bobos Teleguiados’!

@EdGaarcia