O tigre de papel


Educação é aquilo que a maior parte das pessoas recebe, muitos transmitem e poucos possuem.”,
Karl Kraus (1874 – 1936): jornalista e intelectual austríaco.

O Brasil já foi chamado “o país dos bacharéis”. O bacharelado – ou diploma universitário, em geral – costumava ser, na prática, a prova de que seu portador pertencia à classe média urbana. A formação universitária propriamente dita, ainda que melhor que a atual, importava menos que a existência do “canudo de doutor” (e todo bacharel era “doutor”; mestrado e doutorado eram coisas de estrangeiros).

De lá pra cá muito mudou, mas a importância relativa dos papeizinhos dotados de poderes mágicos só aumentou. Para que se possa considerar que mais gente pertence à classe média, o governo facilita o acesso a cursos superiores em função de critérios absolutamente irrelevantes do ponto de vista acadêmico, muda a faixa de renda que caracteriza a pobreza; em suma, muda o papel. Distribui papéis. É o papel que faz a realidade.

A mesma idolatria pelo papel explica sermos ao mesmo tempo um dos países em que é mais difícil conseguir habilitação para dirigir – requerendo cursos teóricos e práticos em veículos especialmente adaptados ao exame psicotécnico – e o terceiro lugar mundial em mortes no trânsito. O primeiro e o segundo lugar têm mais de um bilhão de habitantes cada, e bem menos mortes por cem mil habitantes¹. Em outras palavras, somos os campeões!

Ainda é a mesma papelucholatria que faz com que seja praticamente impossível conseguir autorização para porte de arma, mas tenhamos quase quatro vezes o número de mortes por arma de fogo que os “violentos” EUA.

Multidões de analfabetos funcionais lotam os bancos universitários e ganham seus canudos sem nunca terem lido um livro inteiro. Multidões de habilitados atropelam, colidem e fazem barbeiragens em geral, sendo condenados – após um processo judicial que implica em pilhas enormes de papel e leva alguns anos para ser concluído – a pagar cestas-básicas quando matam uma família. Os professores não podem instruir, mas os alunos são automaticamente aprovados para que não deixem de receber seus papeizinhos mágicos; a polícia não pode investigar, mas cada ocorrência é criteriosamente registrada em fartas resmas e carimbada várias vezes antes de ser arquivada. Carregamos carteirinhas do SUS, sabedores de que sem elas não conseguiremos uma vaga no corredor do hospital para agonizar em paz. Somos todos identificados por carteiras de identidade, e temos a certeza de ter nascido que só uma certidão de nascimento pode dar.

No papel, somos os campeões. No papel, somos uma potência.

Pena que papel aceita qualquer coisa².

Escrito por Carlos Ramalhete.
Publicado originalmente pelo website Mídia Sem Máscara, em 7 de janeiro de 2013.

 Notas (Inclusas pela editoria da Culturateca. Ausentes no artigo original):

  1. Consulte o website do Observatório Nacional de Segurança Viária (ONSV), em: http://www.onsv.org.br/mortes-de-pedestres-no-transito-registra-queda-de-19/.
  2. Na data em que este artigo foi publicado pela primeira vez, 7 de janeiro de 2013, tínhamos Dilma Rousseff no mais alto cargo do poder executivo. Agora, em abril de 2019, o país está sob o comando de seu 38º presidente, Jair Bolsonaro, detentor de viés oposto (busca um Estado menos intervencionista). Devido ao curto período e visões tão antagônicas, estamos presenciando claramente conflitos entre a ideologia direitista (atual) e a esquerdista, motivo pelo qual resolvemos republicar este artigo. Leia dois exemplos que geraram polêmicas devido ao choque de visões:

Em 2008, José Monir Nasser (1957 – 2013), palestrou em função da lançamento do livro “O Trivium”. Assista e compreenda o verdadeiro problema de nosso sistema atual de ensino, e sobretudo perceba o potencial das metodologias trivium e quadrivium, ambas utilizadas na idade média:

Leia também os artigos:

Leia e ouça as transcrições:

avatar
640
1 Quantidade de comentários
0 Quantidade de respostas aos comentários
1 Seguidores
 
Comentário mais polêmico
Comentário em destaque
1 Quantidade de comentadores
Louro Verde Quantidade de comentadores recentes
mais recentes   mais antigos
Louro Verde
Visitante
Louro Verde

Fato triste e muito verdadeiro. No máximo partiremos para a digitalpapelatria!!!

Recentemente (20 de junho de 2019) a Igreja Católica comemorou a festa litúrgica de Corpus Christi (expressão latina que significa Corpo de Cristo). Além da fé, há provas (inclusive cientificas) que sustentam tais adorações? Para responder precisamente, leia os artigos: