O profeta Tocqueville

O número alarmante de previsões suas que se tornaram realidade não é resultado de acidente, adivinhação ou intuição. É conseqüência de uma mente poderosa e criativa, ampliada por erudição e entendimento sensível da natureza do homem e da sociedade. Leia mais...

Decolando na liberdade; aterrissando na escravidão

Comumente vemos pessoas que “embarcam” nos conceitos do “Estado laico”, ou até mesmo nos avanços tecnológicos (normalmente essenciais e admiráveis), crentes de que eles terão como destino uma maior liberdade - nada mais absurdo! Leia mais...

Loucos (ou desequilibrados) pela razão

Na obra Ortodoxia, o autor, G. K. Chesterton, explica: “a mente de um louco é rápida, pois não é embaraçada pelo senso de humor, pela caridade ou pelas certezas das experiências. É mais lógica por perder certos afetos da sanidade”. Leia mais...

Que surgiu primeiro, a mente ou a matéria?

O motor de um foguete não vem de um motor mais primitivo, mas de algo muito mais perfeito que ele próprio e muito mais complexo: a mente de um homem. Leia mais...

Existe vida após o parto?

É bobagem acreditar na vida depois do parto. Ninguém voltou de lá! O parto é o fim da vida, no pós-parto não há nada além de escuridão, silêncio e esquecimento. Leia mais...

O que é cultura?

Cultura não pode ser resumida como um conjunto de hábitos. Se assim fosse, não poderíamos qualificar povos como cultos ou incultos. Leia mais...

A Internacional Incendiária e a Amazônia

Pasme: o bioma seco, de árvores retorcidas, com cascas grossas, bagos duros e ríspidos faz do fogo um dos elementos cíclicos essenciais! Leia mais...

O espírito de serendípite

Se encontramos o que procuramos, diremos como Arquimedes: Eureka!, mas se encontramos o que não procurávamos, podemos dizer: Serendípite! Os sucrilhos, a borracha vulcanizada e a penicilina são exemplos de serendípites! Leia mais...

A consciência individual e o mito do Cristo revolucionário

O cristianismo refere-se a uma pessoa. Esta pessoa, em absolutamente tudo o que viveu e ensinou enquanto andou sobre esta terra, fez um apelo direto à consciência individual de cada ser humano. Leia mais...

O verdadeiro, o bom e o belo

Aquele que pergunta “por que acreditar no que é verdadeiro” ou “por que desejar o que é bom”, foi incapaz de compreender a natureza do raciocínio. Justificamos crenças e desejos ancorando nossa razão no verdadeiro e no bom. Leia mais...

Deus existe? Nada prova; tudo evidencia!

Para evidenciar a existência de Deus, este artigo faz um amálgama entre o infinito, o “nada absoluto”, o Big Bang e a primeira das cinco vias de São Tómas de Aquino. Tudo sempre alicerçado em obras consagradas, incluindo a Bíblia. Leia mais...

 

Breve história do blue jeans

Por Nelson Ribeiro Fragelli

O blue jeans surgiu no mundo operário. Jakob W. Davis, trabalhador nas minas de Comstock, é reconhecido como o criador das “calças azuis rebitadas”. Ele criou uma roupa resistente usando o mesmo tecido das tendas de acampamento.

Feliz Ano Novo!

Por Olavo de Carvalho

Aconteça o que acontecer, não se deixe desencorajar. Não feche os olhos ante a realidade, por pior que ela seja. A coragem do espírito, o amor incondicional à verdade, é a mãe de todas as virtudes.
Fonte: Twitter.

Natal 2016 *

Por Olavo de Carvalho

Deus me conhece mais do que eu mesmo, nada que eu diga de mim para Ele será novidade. Ao contrário: conto um pedaço da história e Ele mostra o resto.

* Leia as observações do topo desta postagem.

Bode expiatório

Por René Girard

Os homens imitam os desejos uns dos outros, por isso, estão destinados ao que chamo de rivalidade mimética. Quanto mais desejo um objeto que você já deseja, mais ele lhe parecerá desejável. As rivalidades tendem a se exasperar.

Como você ouve música?

Por Aaron Copland

Ouvimos música de acordo com as nossas aptidões variáveis. Mas, sob um certo aspecto, todos nós ouvimos em três planos distintos. À falta de terminologia mais exata, poderíamos chamá-los de: plano sensível, plano expressivo e plano puramente musical.

Se a verdade não existe…

Por

Se a verdade é inalcançável e, talvez, nem mesmo exista, o que fazem os físicos, astrofísicos, químicos, biólogos, matemáticos, filósofos, médicos e afins, se não perder tempo e dinheiro em busca de algo que eles mesmos juram não existir?

A abolição do homem

Por C. S. Lewis

Sentimentos que fazem alguém chamar um objeto de sublime não são sentimentos sublimes, mas sentimentos de veneração. Se sublime tiver de ser reduzido a uma afirmação sobre sentimentos de quem fala, seria apropriado dizer: "tenho sentimentos humildes".

Trump eleito. E você, triste?

Por Colombo Mendes

Você é um grande crítico, é uma pessoa cujos sentimentos merecem atenção? Contudo, quando se fala em política, em decisões que afetam a vida de bilhões de pessoas, quem prioriza sentimentos não merece mais do que uma chupeta.

Convite para o enterro da morte

Por Elben César

Agradeço sinceramente a todos que vieram ao meu sepultamento hoje pela manhã: parentes, companheiros de fé e amigos. Vocês foram muitos atenciosos comigo e com minha família. Deus os abençoe. Aproveito para fazer um convite muito solene...

A tática do Papa-léguas

Por Geisler & Turek

“Toda verdade é relativa", (essa verdade é relativa?); “Não existem absolutos”, (você está absolutamente certo disso?); “É verdade para você, mas não para mim!”, (essa afirmação é verdadeira apenas para você ou para todo o mundo?).

Quem ou o que causou Deus?

Por Millard Erickson

Há algo de errado com a pergunta “Quem ou o que deu causa a Deus?”.

É um erro de categoria perguntar o que deu causa à Causa Primeira, pois, neste caso, ela não seria a primeira.

A carta

Por Benoît Bemelmans

Neste artigo, Bemelmans comenta quadro do pintor francês Henri Brispot (1846-1928), que retrata um cardeal romano lendo uma carta, enquanto numa atitude respeitosa o frade franciscano que a trouxe espera uma resposta.

Faça downloads de livros, imagens, áudios e de outros artefatos.


Clique aqui e conheça a nova seção da Culturateca.