Não tenho fé suficiente para ser ateu

Afirmar que o cristianismo persiste por dois mil anos, alicerçado exclusivamente na coluna da fé, é na melhor das hipóteses ignorância; na pior, desonestidade intelectual. E, infelizmente desconhecimento e improbidade estão em voga na desconstrução do cristianismo. Leia mais...

O mal na política

O mal em Hitler não foi reconhecido imediatamente. Levou tempo para as pessoas verem o que ele era. Quando Hitler estava em ascensão, somente uma minoria atenta conseguiu enxergar com antecedência o que ele representava e no que daria. Leia mais...

A Consciência Individual e o Mito do Cristo Revolucionário

O cristianismo refere-se a uma pessoa. Esta pessoa, em absolutamente tudo o que viveu e ensinou enquanto andou sobre esta terra, fez um apelo direto à consciência individual de cada ser humano enquanto tal, em sua mais íntima singularidade. Leia mais...

O verdadeiro, o bom e o belo

Aquele que pergunta “por que acreditar no que é verdadeiro” ou “por que desejar o que é bom”, foi incapaz de compreender a natureza do raciocínio. Justificamos crenças e desejos ancorando nossa razão no verdadeiro e no bom. Leia mais...

Sub Specie Aeternitatis

A atitude revolucionária em relação à História é sempre de ruptura – nada deu certo até então, “o passado é uma roupa que não nos serve mais”, e não há nada que conservar. Dirigir a humanidade ao presente é o único valor dado ao passado. Leia mais...

Deus existe? Nada prova; tudo evidencia!

Para evidenciar a existência de Deus, este artigo faz um amálgama entre o infinito, o “nada absoluto”, o Big Bang e a primeira das cinco vias de São Tómas de Aquino. Tudo sempre alicerçado em obras consagradas, incluindo a Bíblia. Leia mais...

 

Credo de Dom Quixote

Por Mário Ferreira dos Santos

Creio na necessidade do mal para maior glória do Bem.

Creio na noite para maior glória do Sol, e no Sol para maior glória da Lua, inseparáveis amigos e confidentes dos campeadores do ideal.

O verdadeiro, o bom e o belo

Por Roger Scruton

Aquele que pergunta “por que acreditar no que é verdadeiro” ou “por que desejar o que é bom”, foi incapaz de compreender a natureza do raciocínio. Justificamos crenças e desejos ancorando nossa razão no verdadeiro e no bom.

A tulipa

Por Plinio Corrêa de Oliveira

Entre as flores, a tulipa simboliza uma obra-prima de coerência. A orquídea é parasita, a tulipa evoca ideias de autossuficiência. Em relação à rosa, a tulipa seria de segunda classe? A hierarquia tem razão de ser?

A onipotência divina

Por C. S. Lewis

Onipotência significa poder para fazer tudo que é intrinsecamente possível, e não para fazer o que é intrinsecamente impossível. É possível atribuir-lhe milagres, mas não tolices. Isto não é um limite ao seu poder.

Por que a beleza importa?

Por Roger Scruton

Em qualquer época entre 1750 e 1930, se você pedisse às pessoas cultas para descrever o objetivo da poesia, da arte ou da música, elas responderiam: a Beleza. Depois, a arte concentrou-se em perturbar e quebrar tabus morais.

Tremendas trivialidades

Por G. K. Chesterton

Assim é a história de Pedro e Paulo, que contém todas as qualidades de um conto de fadas moderno, inclusive a de ser totalmente imprópria para crianças. É propositalmente cheia de sutileza e segundas intenções.

Da borboleta a lagarta

Por

A transformação da lagarta em borboleta é de exemplar riqueza poética e estética. A lagarta é feia, a borboleta bonita; a lagarta se arrasta sobre o próprio ventre, a borboleta adeja livre; a lagarta se esconde, a borboleta marca presença.

Mentiras gays

Por Olavo de Carvalho

O homossexualismo não é uma necessidade de maneira alguma, mas apenas um desejo. A supressão total da homossexualidade produziria muita insatisfação em certas pessoas; a da heterossexualidade traria a extinção da espécie.

O que é o politicamente correto?

Por

O antropocentrismo do marxismo econômico falhou, como sistema social e econômico, em todo o mundo; resta ao marxismo a guerrilha cultural. Compreenda: “Marxismo Cultural” e “Politicamente Correto”, são unívocos.

Conversa franca sobre aborto

Por Olavo de Carvalho

A questão do aborto depende de duas questões.

Primeira: o feto no ventre da mãe é um ser humano? Segunda: Existe diferença entre matar um ser humano no ventre da mãe e matá-lo depois que saiu?

Contra a idolatria do Estado (excerto)

Por Franklin Ferreira

O autoritarismo não é guiado por ideais utópicos, assim há certa distinção entre Estado e sociedade, com tolerância e alguma pluralidade. O totalitarismo invade a vida privada e a asfixia, busca mudar o mundo e a natureza humana.

O Brasileiro Moderno e a Síndrome de Genovese!

Por

Observando a apatia social diante das anomalias com que a mídia nos bombardeia diariamente, lembrei de um fato e não pude deixar de traçar um paralelo. Um sombrio paralelo que até criou a expressão: "Síndrome de Genovese”.