Partir é viver… ou morrer um pouco!


“As artes procuram dar expressão à natureza do homem, aos seus problemas e à experiência das suas tentativas para conhecer-se e aperfeiçoar-se a si mesmo e ao mundo; e tentam identificar a sua situação na história e no universo, dar a conhecer as suas misérias e alegrias, necessidades e energias, e desvendar um futuro melhor.”,
Do Concílio Vaticano II.

A menina agarra-se ao braço da religiosa a quem acaba de dar um bouquet de flores, enquanto a mãe lhe apresenta sua filhinha caçula para a despedida. Atrás delas o funcionário dos correios consulta seu relógio, pois mais do que uma norma de educação, a pontualidade é para ele um dever que deriva do respeito ao próximo e reflete na própria honra.

No interior da carruagem, outra freira já ocupa seu lugar ao lado de um militar. Outra viajante compra frutas de uma simpática vendedora ambulante. A dama de touca e lenço azul aponta com sua sombrinha para a caixa de chapéu que lhe pertence.

Os carregadores dispõem a bagagem no teto do veículo, alguns homens conversam perto dos cavalos, e o funcionário responsável pela transportadora toma notas em seu relatório.

• • •

Assim era a vida há um século ou pouco mais: tranquila, alegre, interessante, colorida. A indumentária variada e elegante realça a dignidade das pessoas. O ambiente é de calma, mesmo em meio ao burburinho que precede a partida. Ninguém grita nem gesticula. Embora sejam de regiões e classes sociais diferentes, pela harmonia que a cena transmite os personagens parecem membros de uma mesma família.

O respeito mútuo, a bonomia, o amor ao trabalho honesto, a compreensão da legitimidade e dos benefícios de uma hierarquização social, como fruto da tradição e do mérito, tornam a vida mais suave, embora não eliminem a necessidade do esforço nem as consequências do pecado original. Em outras palavras, os princípios cristãos ainda marcam profundamente esta sociedade, entretanto já fustigada intensamente por ideias e princípios revolucionários.

• • •

Outro aspecto desta cena refere-se à viagem enquanto tal. O ambiente é de calma, sim, mas também de muita vida, até de certo alvoroço. Para muitos, a viagem representa a aventura, e esta dá sabor à vida.

Por outro lado, quem parte deixa para trás um pouco de si mesmo, de suas raízes: os seres queridos, as amizades, os lugares, as recordações. Por isso, alguém disse: partir é morrer um pouco…

Escrito por Benoît Bemelmans.
Publicado originalmente pela Revista Catolicismo em junho de 2011.

Separador

Quadro de Abraham Solomon (1823 - 1862) retratando a partida da mala postal de Biarritz (País Basco francês) durante o Império de Napoleão III. O correio da época transportava também pessoas e mercadorias.

Quadro de Abraham Solomon (1823 – 1862) retratando a partida da mala postal de Biarritz (País Basco francês) durante o Império de Napoleão III. O correio da época transportava também pessoas e mercadorias.

Separador

Assista ao hangout “A Decadência da arte”, promovido pelo website Terça Livre. No vídeo, Caroline de Toni e Cínthia Tonani elucidam o assunto com o auxílio do maestro Dante Mantovani.

Separador

Leia também os artigos:

Leia também as transcrições:

avatar
640

Faça downloads de livros, imagens, áudios e de outros artefatos.


Clique aqui e conheça a nova seção da Culturateca.